Total de visualizações de página

quinta-feira, 7 de setembro de 2017

Em Brasília, 25.000 protestam contra Dilma, Lula e Renan

Ao estender a mão para a presidente, peemedebista entrou na mira dos manifestantes. Ato na capital federal igualou o público de abril

Por Marcela Mattos e Laryssa Borges,
 de Brasília, 16/08/2015, www.veja.com.br


Cerca de 25.000 pessoas, conforme estimativa da Polícia Militar protestaram neste domingo na Esplanada dos Ministérios, em Brasília, contra o governo da presidente Dilma Rousseff e o Partido dos Trabalhadores. Depois de estender a mão ao governo na semana passada, o presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL), entrou na mira dos manifestantes, que defenderam a derrubada de "todos que se recusam a combater o PT". Já o ex-presidente Lula foi "homenageado" com um boneco de 12 metros de altura vestido de presidiário. Os manifestantes pediram a prisão do petista.

Sem nenhum incidente registrado pela PM, os manifestantes iniciaram a concentração por volta das 9h30 em frente ao Museu Nacional e marcharam em direção ao Congresso pedindo o afastamento da presidente Dilma. O ato foi encerrado por volta das 13 horas.

Ao longo do percurso, vários jingles foram entoados, entre eles "Olê, olê, vamos pra rua para derrubar o PT" e o hit "Saudação à mandioca", uma analogia a um dos mais notórios tropeços retóricos protagonizados por Dilma, ao saudar a mandioca e o milho no lançamento dos Primeiros Jogos Mundiais dos Povos Indígenas.

Os gritos pelo fim do atual governo, motivados principalmente pelo escândalo bilionário de corrupção na Petrobras, foram revezados com aplausos ao juiz federal Sérgio Moro, que conduz as investigações do esquema, à oposição e à democracia. Em frente ao Congresso Nacional, os organizadores dos protestos, entre eles o grupo Vem pra Rua, leram um manifesto direcionado aos parlamentares, ministros do Tribunal de Contas da União (TCU), ao procurador-geral da República, Rodrigo Janot, e à presidente Dilma. O texto destaca o apoio às ações da Polícia Federal, do Ministério Público e da Justiça e pede aos congressistas "coragem" para acatarem os pedidos de impeachment. O documento também faz um apelo para que o TCU, ao julgar as contas de Dilma, "não decepcione a nação".

O movimento pacífico reuniu um público diverso, formado por familiares, estudantes e idosos. Até mesmo aqueles que trabalharam durante o evento pediram o afastamento de Dilma. O vendedor de bebidas Henrique Silva, 24 anos, anunciava a venda de água enquanto pedia o fim do governo petista. "Todo mundo vê o que a Dilma está fazendo. Ela está roubando e tirando do povo, que está passando sufoco", disse. O arquiteto Antônio Asteca, 68, esteve na Esplanada em 2005, na esteira do escândalo do mensalão, pedindo o impeachment de Lula. Dez anos depois, volta às ruas com a mesma causa: "Estou aqui de novo protestando contra a corrupção do PT. Nada mudou", afirmou.

Apesar de o governo ter previsto uma baixa na quantidade de participantes na terceira manifestação do ano, a capital federal repetiu a marca de abril, quando, pela primeira vez, os movimentos passaram a defender o impeachment de Dilma. Os organizadores comemoraram a adesão e, ironizando a confusa explicação da presidente ao tratar sobre os números do Pronatec Aprendiz, disseram que, em setembro, vão dobrar a meta.

Governo - Desde o início da manhã, a presidente Dilma recebe relatos do andamento das manifestações em todo o país. Os boletins ficam a cargo do ministro da Justiça, José Eduardo Cardozo. Uma reunião entre a petista e a coordenação política foi marcada para as 17 horas, no Palácio da Alvorada, residência oficial da Presidência.


quarta-feira, 6 de setembro de 2017

Eles não têm vergonha na cara

Vergonha é uma das palavras mais pronunciadas no Brasil. Não é por excesso. É por falta

Por Augusto Nunes, 25/06/2017,
www.veja.com.br

DE ONDE VÊM AS PALAVRAS
Texto de Deonísio da Silva
A Constituição do Brasil poderia ter apenas dois artigos: “Art. 1º Todo brasileiro é obrigado a ter vergonha na cara. Art. 2º Revogam-se as disposições em contrário”.
Este modelo de Constituição foi proposto pelo historiador Capistrano de Abreu, professor do Colégio Pedro II, no Rio.
Vergonha veio do Latim verecundia, palavra composta dos étimos vereri, ter medo respeitoso, presente também em reverência, reverendo, reverendíssimo etc. E cundia, abundância, indica que este medo respeitoso é muito grande. Mais do que medo, é temor, pois não há lei que pegue sem temor de que à transgressão segue a punição, o castigo. Dante conseguiu mais católicos com o medo do Inferno como descrito na Divina Comédia do que os padres com seus sermões! E o castigo deve vir rápido. “O castigo vem a cavalo” é outro de nossos ditados. Vem a cavalo porque o cavalo foi o meio de transporte mais rápido até o trem, inventado apenas no século XIX!

Vergonha é uma das palavras mais pronunciadas no Brasil. Não é por excesso. É por falta. Será que somos um povo sem-vergonha? Muitos autores atestam que o povo tem muita vergonha, mas nossa classe dirigente tem pouca ou nenhuma.
Há controvérsias, como sempre. A falta de vergonha não é exclusividade de nenhum dos três poderes. Embora seja costume nacional atribui-la apenas aos políticos, ninguém pode negar que o brasileiro adora uma sem-vergonhice.
Todo sem-vergonha teve muitos que votaram nele para que fosse eleito! E eleito quer dizer escolhido! Quem escolheu o sem-vergonha, é sem-vergonha também ou foi enganado? Por isso, é importante o eleitor saber se está bem representado, se soube escolher. Porque depois não adianta se queixar! Nem do vice! Pois no Brasil, desde Floriano Peixoto, vice assume! José Sarney assumiu, Itamar assumiu e Michel Temer assumiu! Três vices assumiram desde 1985. De dez em dez anos, em média, no Brasil um vice assume!
Entretanto, uma das mais severas admoestações feitas a nós, brasileiros, desde a infância, proferidas por pais, irmãos mais velhos, avós, outros parentes, professores e amigos, está contida numa pergunta singela: não tem vergonha na cara, não?
Ninguém tipificava o crime ou conferia a lei ou o artigo onde o sem-vergonha se encalacrara. O infeliz reconhecia a transgressão, tão logo fosse admoestado e procurava emendar-se. Hoje, ele recorre!
O bordão “é uma vergonha” tornou-se ainda mais popular depois de tomado como fecho-padrão pelo jornalista Boris Casoy em seus comentários na apresentação de telejornal.
Mas por que “vergonha na cara?”. Aí é que está. Ditados muito antigos dão conta de que facada, tiro, porrada e bomba são menos graves do que um tapa na cara. O tapa (no Sul é masculino) e a tapa (no Norte é feminino) são humilhantes em qualquer estado brasileiro.
O soco, murro de mão fechada, não é tão humilhante. Olho roxo pode ser sinal de valentia. Nem o famoso pontapé na bunda é mais humilhante do que receber um tapa na cara. Capistrano de Abreu observa que, de acordo com as crenças populares, “Nosso Senhor tudo sofreu, mas não teve pontapés” e que “os escravos reclamavam” deste castigo, pois “pontapé é pra cachorro”.
O problema está na cara! César, quando em guerra civil contra Pompeu, recomendou a seus soldados, quase todos veteranos, que procurassem feri-los no rosto (Miles, faciem feri!). Vaidosos de sua juventude e beleza, os recrutas de Pompeu debandariam como, de fato muitos deles o fizeram. Morrer em combate, tudo bem! Mas voltar com o rosto sangrando por ter apanhado na cara, não!

Nem faltou a justificativa bíblica de que Deus fez o Homem à sua imagem e semelhança. As cortes católicas trouxeram para o Brasil o conceito de que a cara da pessoa é sagrada.

Em suma, está na cara que ter vergonha na cara é importante sob qualquer ponto de vista. E é indispensável que os brasileiros que perderam a vergonha – eis aí outra expressão muito interessante – voltem a tê-la. E voltem a tê-la na cara!

Trapaça enxuta

A “reforma política” é mais um grande momento na história nacional da vigarice

Por J.R. Guzzo, 11/08/2017,
 www.veja.com.br

Sempre que aparece no noticiário a informação de que os políticos deste país estão fazendo alguma coisa “enxuta”, você já pode contar: estão preparando mais um golpe do vigário contra os seus interesses, e particularmente contra o seu bolso. A palavra “enxuta”, no dialeto do governo e de todos os partidos, sem exceção, quer dizer que a medida a ser tomada vai se resumir a meia dúzia de coisinhas que não resolvem absolutamente nada daquilo que teria realmente de ser resolvido; em compensação, essas mesmas coisinhas sempre trazem benefícios materiais, diretos e imediatos para suas excelências. Esse modus operandi, como se diz nas delegacias de polícia, tem uma dupla vantagem. De um lado, fornece aos senhores parlamentares da extrema esquerda, da extrema direita e do extremo centro uma desculpa prévia por não aprovarem as providências que tinham a obrigação de aprovar – afinal, trata-se de uma coisa “enxuta”, resumida, e, portanto não há espaço para incluir ali as decisões importantes, que precisam ser estudadas com calma e devem ser tomadas com prudência, no futuro. De outro lado, permite que eles enfiem no projeto, sem chamar muita atenção, as mudanças que realmente estão querendo para já – as mais urgentes e mais rentáveis. Como se trata de uma operação “enxuta”, da qual nem vale a pena falar muito, fica mais fácil esconder os seus truques lá dentro: se tivessem de socar de uma vez só tudo o que ambicionam, estariam correndo o risco de uma overdose.

A “reforma política” prestes a ser apreciada pelo Congresso é mais uma bela obra na arte de roubar no jogo com a desculpa de “fazer o possível agora, e o ideal mais tarde”. Na realidade, o que se tem é safadeza já, e o correto nunca. Essa reforma é o que há, em matéria de mudança “enxuta”. Não vai mexer (fica para “depois”, a partir de 2020, 2030, etc.) em nenhuma das aberrações mais infames da atual legislação eleitoral – fim do voto obrigatório, fim do horário político obrigatório no rádio e tevê, fim dos partidos de aluguel, fim dos vices e por aí afora. “Não é o momento” para mudar nada disso, dizem os nossos representantes. Considerou-se um exagero, por exemplo, exigir que um partido tenha pelo menos 3% dos votos nas eleições para continuar existindo – ou melhor, para continuar metendo no bolso o dinheiro que o erário distribui através do “fundo partidário”. Basta que consigam 1,5%. É bom para os pequenos, claro, e para os grandes, que querem garantir a existência no Congresso de um estoque de votos sempre prontos para a compra e venda, na hora de aprovar ou rejeitar alguma coisa no plenário.

Sobra o que, então, na “reforma enxuta”? Exatamente aquilo que se podia esperar. Inventaram um negócio chamado “distritão”, que 99% da população não sabe o que é, para evitar o perigo do voto distrital, adotado em todas as democracias que funcionam – a única mudança realmente capaz de melhorar o sistema eleitoral criminoso que vigora no Brasil. Mais que tudo, naturalmente, foram direto para cima do Tesouro Nacional: propõem a criação de mais um fundo para o “financiamento público” das campanhas eleitorais, que será sustentado com os impostos pagos pelos eleitores. Estão querendo dinheiro grosso: de 3,5 a 4 bilhões de reais já em 2018, ou até cinco vezes mais os 800 milhões por ano do atual “fundo partidário”. O pai da proposta é um deputado do PT – mas os partidos adversários são cúmplices integrais desse roubo. Para completar o serviço, Sua Excelência pretende chamar essa trapaça de “fundo de financiamento à democracia”. Como se diz, é juntar o insulto à injúria.


domingo, 3 de setembro de 2017

A franquia Brasil

Por Mentor Neto, 21/07/2017,
 www.istoé.com.br

É realmente impressionante a habilidade do presidente Temer de se esquivar dos ataques dirigidos contra ele. Fosse o PT um partido sério, não essa bandinha de bate-bumbos para Lula dançar, estaria todo de bloquinho nas mãos, como residentes em um hospital, anotando as aulas do Dr. Temer sobre como se fazia política no século passado.

Neste século, infelizmente, não se criou nenhum método novo. A tentativa do PT de inovar retirando dinheiro de estatais e transferindo diretamente aos congressistas se provou completamente ineficiente.

Muito fácil de ser descoberta, além de criar ciumeira e o escambau.

Amadores.

O Mensalão, o Petrolão, o Empreiterão, a JBSona provaram que a falta de método é o problema real do PT e por isso seu projeto de se perenizar no governo não deu certo como deu para o PMDB.

Zé Dirceu que o diga.

Ou Aécio, que esqueceu a habilidade do PSDB e destrambelhadamente saiu pedindo empréstimo.

Deselegante.

Muito mais chique é se encontrar com empresários, deputados e senadores na calada da noite.

Fazer conchavos secretos, que você e eu não seríamos capazes de entender nem se escutássemos numa gravação.

Politicamente correto é trocar apoio por cargos.

E não por dinheiro vivo.

Com Temer, voltamos confortavelmente à velha política.

A política em que as empresas públicas são uma espécie de franchising.

Funciona assim:

O governo do PT entuchou um monte de apadrinhados nas empresas públicas.

Aí, de acordo com a necessidade, foi abrindo as torneirinhas de dinheiro e distribuindo o dito cujo para conseguir o que queria.

Percebe que coisa cafona?

Coisa de novo rico.

Na velha política quatrocentona é diferente.

Você entrega as estatais para serem exploradas pelos partidos.

Como quem não quer nada.

Uma franquia mesmo.

Empresas públicas, que já provaram serem minas de ouro para quem quer surrupiar dinheiro público, precisam ser cuidadas com carinho.

Você dá essa lojinha para o sujeito e explica como fazer para ganhar dinheiro.

Pode indicar parente, pode disfarçar despesa como investimento, pode até mexer no balanço.

Mas com calma, sem muita sede ao pote, para não chamar a atenção.

Se for descoberto, o partido sabe que ninguém vai protegê-lo.

Feito o acordo, o agraciado rapidamente aprende que não se trata de um caixa eletrônico, como nos anos do PT.

Na velha política, tudo funciona mais como um investimento de médio prazo.

Os políticos da velha guarda não dão o peixe. Eles ensinam a pescar.

Quando a relação está madura, é só pedir em troca o que se deseja.

Quem sabe uma aprovação? Um acordo? Um adiamento?

Um quórum aqui, um veredito ali.

Percebe? Sem a grosseira troca de dinheiro.

E só há vantagens, pois é um esquema muito mais difícil de ser investigado.

Outra vantagem é que essa rede de franquias pode ser construída até quando não se tem os cargos principais do Executivo.

Basta estar próximo do poder.

Trocar um ou outro favor por uma estatal e pronto.

O PMDB, por exemplo, está nessa posição há mais de 30 anos, imagine.

A lição é essa. Calma e perseverança.

Diferente de um PT que foi com tanta sede ao pote que deu no que deu.

Perdeu a franquia.

Na velha política, tudo funciona mais como um investimento de médio prazo. Os políticos da velha guarda não dão o peixe. Eles ensinam a pescar. Diferente do PT que foi com sede ao pote e deu no que deu


Uma república macunaímica

Por Marco Antônio Villa, 30/06/2017,
www.istoé.com.br



Não custa repetir: o impeachment de Dilma Rousseff não encerrou a crise política. Pelo contrário, simplesmente destampou a panela de pressão da crise sistêmica da democracia brasileira. As contradições políticas se aprofundaram de tal forma que a solução, relativamente tranquila, obtida após o processo de impeachment de Fernando Collor – que não foi concluído, registre-se –, não pode se repetir. 2017 não é 1992 especialmente porque agora o País passa por uma crise sistêmica, que envolve os três poderes da República. Vivemos, portanto, não uma crise política, como outras ao longo da história nacional, mas o colapso do Estado democrático de Direito.

Os três poderes estão carcomidos. As instituições não conseguem dar conta da complexidade da conjuntura. A sociedade civil a todo momento manifesta sua profunda insatisfação. Quer um Estado que funcione que: respeite a coisa pública; que seja ágil, que valorize os valores republicanos.

A sociedade civil apresenta um ar de enfado, até de apatia. Imaginava também que após o impeachment o País caminhasse para o pleno funcionamento da democracia, após a maior mobilização popular da nossa história. Acabou acreditando que as mazelas petistas e seu projeto criminoso de poder seriam extintos após a saída de Dilma. Ledo engano. Por um lado devido à permanência na estrutura do Estado dos representantes do PT e, de outro, porque não houve qualquer mudança na forma de ação da máquina governamental.

A tensão política se agravou ainda mais desde a segunda quinzena de maio. A crise sistêmica se revelou sem qualquer disfarce. Houve em algum momento da história do Brasil uma troca de acusações entre o procurador-geral da República e o Presidente da República como vimos na última semana? E um presidente, no exercício do cargo, ser denunciado por corrupção? E um presidente réu? É uma possibilidade na democracia macunaímica que vivemos.

Estamos chegando a um ponto de absoluta desmoralização das instituições, da elite política, dos padrões morais e éticos, e, pior, sem encontrar um caminho que permita sair dessa conjuntura. Não há, ao menos no momento, um caminho e nem a forma de como percorrê-lo. E onde estão os condutores? E as ideias? Algum projeto para o País? O que há então? Nada. Resta o vazio e a desesperança.


terça-feira, 29 de agosto de 2017

A máquina de gastar

Não são apenas os 43 centavos por litro, toda uma forma de governar está em jogo.

Por Augusto Nunes, 28/07/2017,
 www.veja.com.br

Fernando Gabeira publicado no Estadão

Ao decretar o aumento do imposto da gasolina, Temer rompeu com uma das mais importantes expectativas criadas pelo impeachment de Dilma. Na época em que ela caiu não se discutiam apenas as pedaladas, razão formal, mas todo o conjunto do movimento da bicicleta: uma dispendiosa máquina de governo pesando insuportavelmente nas costas da Nação.

Verdade que Temer conseguiu aprovar a lei que impõe limite aos gastos públicos. Mas a vida real está mostrando que uma simples lei não resolve se não houver mudança no comportamento do governo. Temer, por exemplo, decreta aumenta de impostos e libera verbas para deputados, algo que não é essencial no Orçamento. Ele vive uma contradição paralisante: governar para a sociedade ou para o Congresso?

Sua cabeça depende de ambos. Mas no momento ele teme mais os deputados, que têm o poder de cortá-la, aceitando a denúncia de corrupção passiva. A decisão de aumentar impostos não o enfraquece apenas na sociedade, mas também no próprio Congresso, que está em recesso, portanto, teoricamente mais próximo da vida real.

A escolha de usar um decreto, driblando uma decisão congressual, vai desgastá-lo. Está implícito na escolha que nem o Congresso aceitaria esse caminho. Mas as contradições não param aí. Embora não aceite o aumento de imposto, o próprio Congresso, no jogo de trocas com Temer, não trabalha com reduções nos gastos.

As contradições estendem-se ao projeto de demissões voluntárias. É um movimento legítimo, mas toca funcionários concursados. Economiza R$ 1 bilhão depois de aumento de salários que chegam a R$ 22 bilhões. Os próprios procuradores, cujo trabalho apoiamos, querem mais 16% em 2018. Aqui, na planície, quem tem a sorte de trabalhar se contenta apenas em não perder para a inflação.

O departamento de cargos em comissão continua de vento em popa. Em especial neste momento em que o Congresso tem o destino de Temer nas mãos.

Ao dizer que o povo iria compreender o aumento do imposto, Temer acabou expressando um desejo. Nesse campo prefiro a Dilma, com seu desejo de não ter meta e dobrá-la ao atingir esse intraduzível marco.

Todo mundo sabe que paga imposto. Ainda mais quanto incide sobre a gasolina. Mesmo os habitantes do interior do Nordeste que trocaram os jegues por motocicletas compreenderam imediatamente que foram atingidos.

O aumento de impostos tem força no imaginário histórico brasileiro: luta pela independência, derramas coloniais, Tiradentes esquartejado. Nos últimos anos os empresários acharam no pato amarelo uma versão pop de sua luta contra a pesada carga tributária.

Depois de tantos escândalos de corrupção, do espetáculo de políticos de costas para o povo, as pessoas começam a perceber que tudo isso é financiado por seu trabalho. E para simbolizar a revolta quando ela chega ao cotidiano, o pato é pinto. As coisas podem ser muito mais graves.

Temer arriscou tudo nesse aumento. Tenta o suicídio numa hora em que sua energia está concentrada em sobreviver.

Não houve, depois do impeachment, um esforço sério para conter os gastos da máquina. O déficit orçamentário previsto já era generoso, em torno dos R$ 130 bilhões. Neste momento, muitos se perguntam: por que financiar a máquina oficial, corrupta e incompetente na entrega dos serviços essenciais?

Quem se lembra das manifestações de 2013 reconhece nelas uma aspiração a serviços decentes em troca dos impostos pagos. Os serviços pioraram de lá para cá. E os impostos aumentam. Isso não quer dizer que estejamos às vésperas de manifestações do tipo de 2013. Mas quem autoriza os estrategistas de Temer a supor que o decreto não trará sérias consequências?

Estrategistas podem até pensar em jogar todas as cartas no Congresso, subestimando a reação da sociedade. Mas têm de levar em conta que há um momento em que o próprio Congresso salta do barco se a pressão social o empurrar.

É um exercício retórico falar em estrategistas. A máquina tem uma lógica própria. Ele não pode mudar o rumo porque nela está ancorado um sistema político-partidário.

O desdobramento da máquina é cruel para os que pagam impostos e ao mesmo tempo é autodestrutivo. Temer apenas deu mais um passo na direção do abismo, não necessariamente pessoal, mas do próprio sistema político, em degradação. Mas é um passo que enfraquece as perspectivas de soluções políticas com mudanças em 2018. E favorece a entrada numa zona de turbulência perigosa para a própria retomada econômica.

Mas como definir outro caminho? A máquina tem seus desígnios, ela se desloca como um iceberg que se desprende do continente. Temer já era impopular. Pode-se tornar detestável. Como um iceberg que se respeita, a máquina de governo quer fazer do Brasil o seu próprio Titanic.

Ultimamente, porém, o degelo é mais rápido. Um aumento de impostos como o da gasolina terá poder pedagógico e vai aquecer muito as aspirações por um reforma política que reflita diretamente nos rumos da máquina de gastar.

Nunca se pagou tanto por espetáculo tão desolador. Os atores contam com a tolerância da plateia, clichês como a cordialidade do brasileiro. Creio que o futuro próximo vai desvendar a natureza da máquina. O que funciona hoje como marcha da esperteza pode revelar-se amanhã a marcha da estupidez: um sistema político em extinção.

A opção de aumentar impostos abriu uma nova conjuntura, sem os lances sensacionais de uma delação premiada, mas com potencial corrosivo tão ácido como ela. Piores dias levando a melhores dias: está chegando a hora de a sociedade ajustar as contas não só com a máquina de gastar, mas com o sistema político que a anima.

Não é apenas pelos 20 centavos, dizia-se nos protestos de 2013. O aumento da gasolina representa R$ 11 bilhões por ano. Ainda assim, não serão apenas 43 centavos por litro. É toda uma forma de governar que está em jogo.


Comentários

Luis Roberto Ferreira

O dilema de Temer está entre aumentar a meta fiscal e obter condições de governabilidade com benesses que agradem aos congressistas ou, diante dos recursos cada vez mais insuficientes, tentar arrecadar com impostos o suficiente para manter a meta e a credibilidade junto aos agentes econômicos. Acredito que ele optará pela base parlamentar, já que, sem apoio do Congresso terá que pegar o seu boné e ir responder na Justiça por corrupção passiva.

Alberto de Araujo

Acredito que, se tivesse aprovada a reforma da previdência, não haveria a necessidade desse imposto. Infelizmente, “o governo agradou a oposição”. “Quanto pior melhor”. Não sei como, mas deveria mudar a cabeça dos políticos. O destino do país teria que ser prioritário. Hoje está desprezado. O que vale é o interesse político. Há alguns políticos exceção. Poucos, para influir na vontade da maioria. Agora mesmo vemos o governo Temer conseguir sinais de recuperação econômica. Inflação, juros, desemprego sendo nocauteados. Uma disposição de instituir reformas essenciais para resgatar o país do fundo do poço. Herança maldita, dos diabos, legado dos governos petistas. Desejo que o governo Temer complete o seu mandato tampão com as reformas realizadas.


quinta-feira, 17 de agosto de 2017

A Firma

O custo da corrupção de Cabral e sua Firma supera o valor do subsídio dado pela Prefeitura do Rio ao cartel de ônibus, estimado em R$ 32 milhões neste ano.

Por Augusto Nunes, 04/07/2017,
 www.veja.com.br


Texto de José Casado Publicado no Globo

Sérgio Cabral era um sócio oculto da Fetranspor, o cartel formado pelas 200 concessionárias de ônibus que operam no Estado do Rio. Até onde se sabe o ex-governador, nunca foi dono de frota de transporte coletivo. Nem precisava, era o chefe da Firma — como o grupo de funcionários públicos corruptos se autodenominava, contou Luiz Carlos Cabral, ex-assessor de Cabral, em depoimento na Justiça Federal.
Entre 2010 e 2016, o ex-governador recebeu R$ 122 milhões, ou seja, 47% do valor distribuído pelos empresários de ônibus à Firma.
Embolsou R$ 20,3 milhões por ano. Foram R$ 55,6 mil por dia, na média, segundo as planilhas de propinas da Fetranspor obtidas pelo Ministério Público Federal.
Não é pouco. Corresponde à receita de venda de 14,6 mil bilhetes diários ao custo de R$ 3,80 por viagem. Isso só é possível obter com 384 ônibus rodando lotados o dia todo na cidade do Rio, de acordo com o Databank da Fetranspor.
Visto de outro ângulo, o custo da corrupção de Cabral e sua Firma supera o valor do subsídio dado pela Prefeitura do Rio ao cartel de ônibus, estimado em R$ 32 milhões neste ano. Representa, ainda, mais de dois terços de outro gasto do município com transporte coletivo, o dos alunos das escolas públicas.
Começou em 1991, relatou Álvaro Novis, responsável na Firma pela organização da logística de coleta, lavagem e distribuição de propinas. Empresas de ônibus e empreiteiras como Odebrecht pagavam em espécie, dinheiro vivo.
Transportar e armazenar grandes volumes de notas de baixo valor foi um problema, logo resolvido pela intervenção de uma corretora de valores, Hoya, e a contratação de empresas regionais de segurança, como a Transegur (sucedida pela Prosegur) e pela Transexpert.
O fluxo financeiro da Firma era centralizado na corretora, onde um funcionário, Edimar Moreira Dantas, atualizava planilhas.
Ele recebeu ordens para destruí-las quando a Operação Lava Jato começou. Fez o serviço, mas antes copiou todo o movimento de 2010 a 2016 num pendrive, e levou-o para casa. Detido, negociou um acordo de delação premiada. Entregou a memória eletrônica, explicando a natureza dos dados.
Novis, o encarregado da logística na Firma, seguiu o exemplo de Dantas e entregou todos os pen drives que guardara durante anos.
Neles identificou as várias contas da Fetranspor reservadas a Cabral. Foram R$ 70 milhões pela “CM”; R$ 31,6 milhões via “Abacate” e R$ 16,5 milhões pela “Verde”, entre outras entregas.
Os primeiros pagamentos, lembrou, ocorreram dentro da Assembleia Legislativa.
Cabral foi deputado estadual por mais de uma década. No dia em que assumiu a presidência da Alerj, em 1995, chamou jornalistas ao seu gabinete e mostrou-lhes o banheiro privativo. Era o local preferido pelos antecessores, contou, porque lá ocorriam as entregas semanais de propinas.
Duas décadas depois se descobre que aquele banheiro foi, também, um marco na carreira política de Sérgio de Oliveira Cabral Santos Filho. Aos 54 anos, o ex-governador do Rio está preso na cadeia pública de Benfica. Adormece em colchões ortopédicos.